26 de jan de 2010

O gato é uma maquininha
que a natureza inventou;
tem pêlo, bigode, unhas e
dentro tem um motor.
Mas um motor diferente
desses que tem nos bonecos
porque o motor do gato
não é um motor elétrico.
É um motor afetivo
que bate em seu coração
por isso ele faz ronron
para mostrar gratidão.
No passado se dizia
que esse ronron tão doce
era causa de alergia
pra quem sofria de tosse.
Tudo bobagem, despeito,
calúnias contra o bichinho:
esse ronron em seu peito
não é doença - é carinho.

Poema enviado por Lu dos Anjos
.

21 de jan de 2010

Clarice por Clarice

"Eu antes tinha querido ser os outros para conhecer o que não era eu. Entendi então que eu já tinha sido os outros e isso era fácil. Minha experiência maior seria ser o outro dos outros: e o outro dos outros era eu."

"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato...Ou toca, ou não toca."

"...eu só escrevo quando eu quero, eu sou uma amadora e faço questão de continuar a ser amadora. Profissional é aquele que tem uma obrigação consigo mesmo de escrever, ou então em relação ao outro. Agora, eu faço questão de não ser profissional, para manter minha liberdade."
.

2 de dez de 2009

Cemitério de Polacas

Alexei Bueno

Nos beliches sobre o oceano,
Nas camas de Lapa ou Mangue
Fizeram-se, corpo e sangue,
Algo horizontal e plano.

Sob o lustre, ao som do piano,
Quanto gesto ousado ou langue,
Que mudo medo da gangue
Que as trouxe, que asco inumano.

Mas ei-las, ainda deitadas
Nos seus leitos de cimento,
Seus barcos sem amuradas.
Doadoras do esquecimento,

Ei-las na paz olvidadas
De todos, menos do vento.
.

3 de nov de 2009

Escuridão

Regina Vilarinhos


Há dias em que o inferno me esvazia.


Brigo com as sombras dessa loucura que espia.


Estômago, boca, olhos e anemia.


De mim nada mais sei, eu que tanto sabia...


No chão, a queda é fria:o corpo se despedaça,


a cabeça rodopia.


7. Deus me descansa. Nasce o dia.

Para Giovana, que me está me ensinando a enxergar luz, sempre!
.

5 de out de 2009

Ruídos insones

vento na fresta da janela

folhas do antúrio batendo no vidro

carros passando (ou voando?) no estradão

motor da geladeira

asas da mariposa

televisão do vizinho

choro do bebê do vizinho

a voz da mulher do vizinho

água caindo na caixa d'água

pipa balançando ao sabor do vento agarrada no fio do poste

cachorros latindo nas ruas

meus cachorros latindo no portão

minha respiração

a caneta no papel

.
.

19 de mai de 2009

Gabriel Garcia Marques

"É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão. O importante é aproveitar o momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem saber ver.



Gabriel Garcia Marques